CALHEIROS X NOBLAT Liberdade de expressão não justifica xingamentos a político

18:17 Radio Ideal FM 0 Comentarios



É natural a exposição de um senador à opinião e crítica dos cidadãos e da imprensa, mas o exercício da crítica e da liberdade de expressão não permite xingamentos ao político, o que causa dano de difícil reparação à imagem da pessoa. Com base neste entendimento, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça acolheu Recurso Especial de Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, contra o jornalista Ricardo Noblat.
Com a decisão, Noblat deverá indenizar Calheiros em R$ 50 mil por ter dito que o senador “é patife. E patife quer dizer velhaco, pusilânime ou covarde, alguém capaz de mandar todos os escrúpulos às favas para alcançar seus objetivos”, e ter chamado o senador de político “desmoralizado. Que quer dizer, segundo Aurélio, descreditado, estragado, pervertido, depravado ou corrupto”.
Calheiros (foto) apresentou a ação junto à Justiça do Distrito Federal em 2007, alegando que foi ofendido por Noblat em textos publicados em seu blog sobre omissão de bens à Receita Federal e mentiras em depoimentos ao Senado. Segundo o jornalista, não houve ofensa ou mentira nas matérias, os fatos foram investigados pela Polícia Federal e amplamente divulgados pela imprensa. Em primeira instância, o pedido de indenização foi negado sob o entendimento de que um senado está exposto à crítica da sociedade. Houve recurso ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal, que rejeitou a Apelação e manteve a absolvição de Noblat, citando as duras críticas da imprensa em geral a Calheiros no momento da publicação dos textos.
Relatora do REsp ao STJ, a ministra Nancy Andrighi apontou a necessidade de análise do caso com base no Código Civil e o fato de o TJ-DF ter indicado outros veículos que também publicaram textos questionando a lisura dos negócios de Calheiros. Assim, segundo ela, o critério utilizado na segunda instância “foi o caráter meramente informativo das publicações veiculadas” no blog.
Para a ministra, o caso opõe o direito à liberdade de pensamento, à livre manifestação do pensamento e ao acesso à informação ao direito à honra e reputação citado pela defesa do político. Apontando precedentes de casos que relatou, Nancy negou ofensa à honra de um cidadão “quando são divulgadas informações verdadeiras e fidedignas a seu respeito”, por conta do interesse público. No caso em questão, continuou, as informações eram relevantes à sociedade, pois versavam sobre a investigação de um senador, e tiveram como base “as investigações da Polícia Federal e outras notícias divulgadas amplamente”.
Mesmo que Renan Calheiros tenha sido absolvido, “quando as publicações foram veiculadas, as investigações mencionadas estavam em andamento”, disse a ministra. Noblat utilizou fontes fidedignas como base e não precisava esperar até “até que haja certeza plena e absoluta da sua veracidade. O processo de divulgação de informações satisfaz verdadeiro interesse público, devendo ser célere e eficaz”, apontou seu voto.
No entanto, os abusos encontrados em algumas publicações motivaram o voto da relatora pelo pagamento de danos morais. Segundo ela, ao xingar Calheiros, o jornalista ultrapassou “a linha tênue existente entre a liberdade de expressão e a ofensa aos direitos da personalidade de outrem”. Ao classificar o político como patife e desmoralizado, ele atingiu a honra e dignidade do alagoano, ultrapassando o limite da crítica à conduta do político, informou a ministra. De acordo com Nancy, a liberdade de expressão não pode servir de pretexto para atos como ofensas à imagem de outras pessoas, como ocorreu em alguns textos. Ela concluiu seu voto fixando em R$ 50 mil o valor a ser pago por Ricardo Noblat a Renan Calheiros.
Clique aqui para ler o voto da ministra Nancy Andrighi.
Mais notícias
12/03 20:27  Órgão Especial do TRF-3 rejeita denúncia de procuradora contra juiz Ali Mazloum
12/03 19:38  Justiça gratuita pode ser requerida em qualquer tempo, reafirma TST
12/03 19:28  Para TJ-SP, ameaça verbal de agressão não configura tentativa de lesão corporal
12/03 18:42  Existência de elementos mínimos na denúncia impede trancamento de ação
12/03 18:31  TST decide que a greve dos funcionários dos Correios é abusiva
12/03 18:27  TJ-SP cria projeto de lei que transforma agentes administrativos em escreventes
12/03 18:20  TJ-RJ decide manter suspensão dos trabalhos da CPI dos Ônibus na capital
12/03 17:50  Réu foragido não pode alegar demora na instrução criminal, decide STF
12/03 17:39  Joaquim Barbosa vota contra indenização bilionária pedida pela Varig
12/03 17:17  Funcionário que colaborou em livro da OAB não consegue direitos autorais
12/03 17:04  Buscadores não são obrigados a apagar notícias falsas sobre Aécio Neves
12/03 16:53  Senadores aprovam ministros para TST e STM e nomes seguem ao plenário
12/03 16:45  STJ adia decisão sobre juros de mora em ações coletivas por falta de quórum
12/03 16:04  Questionada lei de MT que aceita diploma estrangeiro para progressão funcional
12/03 15:36  Dispensa por motivação política deve ser provada para efeito de readmissão
12/03 14:40  Governador de São Paulo ajuíza ações contra benefícios fiscais de GO e RJ
12/03 14:03  Andréia Scapin: Itália busca equilíbrio entre sigilo e transparência
12/03 12:56  Advogado não pode ser punido porque ação não deu certo, decide STJ português
12/03 12:55  CCJ aprova Néfi Cordeiro para ministro do Superior Tribunal de Justiça
12/03 12:11  Tribunal de Justiça de São Paulo elege três novos integrantes do Órgão Especial
12/03 11:48  Começar curso antes da Lei 8.906 não garante registro na OAB sem exame
12/03 10:44  Estado do RS indenizará mãe de detenta que morreu de tuberculose na prisão
12/03 10:07  Mercado crê em alta na busca por seguro de responsabilidade civil ambiental
12/03 09:57  Notícias da Justiça e do Direito nos jornais desta quarta-feira
12/03 09:49  Receita altera regras de custeio previdenciárias e afeta empresas
12/03 09:47  Cota para as mulheres representa momento de transição para a igualdade
12/03 09:37  Notas Curtas: TJ-SC adverte juízes após discussão sobre decisões no Facebook
12/03 09:26  Taxa de desarquivamento de processos do TRF-3 é ilegal, decide CNJ
12/03 08:36  Consumidor que encontra corpo estranho em garrafa tem direito a indenização
12/03 08:35  Luciano Athayde: Validação de sentença trabalhista pelo INSS segue indefinida
12/03 08:28  Agenda de Concursos: TJ do Rio de Janeiro abre concurso com 22 vagas para juiz
12/03 08:03  Luís Felipe Pellon: Desejo das partes é fundamental para sucesso da mediação
12/03 07:47  Proposta de autonomia da AGU pode ser votada nesta quarta na Câmara
12/03 07:13  Ali Mazloum recebe apoio de juízes antes de TRF-3 julgar representação
12/03 07:04  Não há sonegação fiscal antes do lançamento definitivo do tributo devido
12/03 06:30  Liberdade de expressão não permite que jornalista xingue político
12/03 06:30  André Luís Melo: Município pode legislar sobre assistência jurídica

0 comentários:

Obrigado pelo seu Comentario, seja bem vindo !

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga