Teatro de Cerquilho : Programação de Maio‏ de 2013

11:49 Radio Ideal FM 0 Comentarios



1º de maio, Cinema na 4ª-feira
20h: Documentários (adulto) – Dia do trabalho: “ABC Brasil”, de Sérgio Péo; “Greve de março”, de Renato Tapajós; “Greve!”, de João Batista de Andrade.
Censura: Livre.
Redemocratização: as greves de 1979.
Os três filmes que compõem este programa foram realizados por diferentes diretores com uma só motivação: narrar um importante momento da história recente do país, por meio da linguagem do cinema documentário, em obras sem personagens centrais, cujo protagonismo é exercido pela coletividade. Arrocho salarial, opressão das multinacionais, repressão do Estado de exceção e união da classe trabalhadora são alguns dos temas urgentes da época. A paralisação dos trabalhos dos metalúrgicos do ABC Paulista, região de forte concentração industrial do Sudeste brasileiro, aprofundaria as graves contradições da agonizante ditadura militar e revelaria, ao mesmo tempo, o nascimento de uma figura pública que marcaria os 30 anos seguintes do cenário político do Brasil: o líder sindical Luiz Inácio “Lula” da Silva.

4 de maio, Sábado de Literatura
10h: Microfone aberto.
Coordenação: Kátia Mota.
11h / 13h: Literatura que vem dos blogues, com Luiz Brás.
“Autores e Ideias” no telão do teatro, transmissão ao vivo.
O evento tem a parceria da TV Cronópios (coordenado por Pipol), para a transmissão ao vivo e gravação para acesso posterior. O projeto, idealizado e apresentado pela jornalista Mona Dorf, tem o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura, dentro do Programa de Ação Cultural (PROAC). A ideia é abordar os diferentes gêneros, com autores diversos, a partir da obra deles, na forma de bate-papo e com participação da plateia. Até o fim de setembro serão dez mesas literárias, aos sábados, duas vezes por mês, com duração de duas horas.
Acesse o site do projeto Autores e Ideias.
Acesse o site da TV Cronópios.

5 de maio, Domingo no Cinema
14h: Filme (infantil): “Os xeretas”, de Michael Ruman.
Não faz parte das tradições do cinema brasileiro aventurar-se pelo chamado “cinema de gênero”, um cinema marcadamente desenvolvido pela e para a grande indústria hollywoodiana. Pois com “Os Xeretas”, Michael Ruman propõe uma adaptação para as nossas terras do cinema de aventuras infanto-juvenil, solucionando com bastante humor e muita criatividade as dificuldades inerentes a realizar tal filme dentro da realidade de produção do cinema nacional. Este programa é fruto da parceria firmada entre a Programadora Brasil e a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis.

17h: Filme (adulto): “Chega de saudade”, de Laís Bodanzky; “Bailão”, de Marcelo Caetano.
Censura: 12 anos.
Sorteio de bolas de vôlei para os que chegarem antes das 17h. Apoio: Coocerqui.
“Chega de saudade” e “Bailão” têm o mesmo cenário principal: um antigo salão de baile. E protagonistas da mesma faixa etária: a chamada terceira idade. Mas, como seus títulos indicam, os filmes não abrem espaço para a nostalgia, nem para a lamentação. O longa-metragem ficcional de Laís Bodanzky (diretora de “Bicho de Sete Cabeças”) e o curta documental de Marcelo Caetano são filmes sobre a sexualidade – seja ela hétero ou gay – como prova de vitalidade e forma de resistência. Nesse sentido, são filmes de celebração da vida, mas também obras políticas. Premiados em festivais no Brasil e no exterior, confirmam dois talentos singulares do atual cinema brasileiro.

8 de maio, Cinema na 4ª-feira
20h: “A marvada carne”, de André Klotzel, com Fernanda Torres, Regina Casé, Tonico e Tinoco;“Almoço executivo”, de Marina Person e Jorge Espírito-Santo, com André Abujamra.
Censura: Livre.
Com desenvoltura rara para um estreante, o cineasta André Klotzel faz em “A marvada carne” uma homenagem ao universo da cultura caipira, vista aqui num embate com a cultura da cidade. Adaptação de uma peça teatral de Alfredo Soffredini, o filme também recorre à mitologia brasileira ao colocar em cena figuras como o Saci e o Curupira. Com nove Kikitos no Festival de Gramado, em 1984, é uma das comédias mais divertidas do moderno cinema brasileiro. Comportamentos urbanos também estão em pauta em Almoço executivo, curta assinado pela dupla Marina Person e Jorge Espírito-Santo, que partem de um fato corriqueiro para realizar uma comédia de humor imprevisível.

11 de maio, Sábado de Literatura
10h: Microfone aberto.
Coordenação: Isabel Pakes.
11h / 13h: Romance com Ricardo Lísias
“Autores e Ideias” no telão do teatro, transmissão ao vivo.
O evento tem a parceria da TV Cronópios (coordenado por Pipol), para a transmissão ao vivo e gravação para acesso posterior. O projeto, idealizado e apresentado pela jornalista Mona Dorf, tem o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura, dentro do Programa de Ação Cultural (PROAC). A ideia é abordar os diferentes gêneros, com autores diversos, a partir da obra deles, na forma de bate-papo e com participação da plateia. Até o fim de setembro serão dez mesas literárias, aos sábados, duas vezes por mês, com duração de duas horas.
Acesse o site do projeto Autores e Ideias.
Acesse o site da TV Cronópios.

PRÓXIMAS DATAS E AUTORES:

1º de junho – Literatura epistolar, com Luiz Ruffato e professor Ivan Marques*
29 de junho – Poesia, com Annita Costa Malufe e professor Ivan Marques
3 de agosto – Biografia, com Fernando Morais
28 de setembro – Romance policial, com Mario Prata
*Ivan Marques, professor de literatura e criador do programa Entrelinhas da TV Cultura, participará de alguns dos encontros, comentando os textos apresentados e a obra do escritor.

12 de maio, “Festa das Nações”, no Centro Municipal de EventosO Teatro Municipal não apresentará filmes do projeto “Cinema no domingo”.

15 de maio, Cinema na 4ª-feira
20h: “Amor & Cia”, de Helvécio Ratton, com Marco Nanini, Patrícia Pillar, Alexandre Borges; “Rua do amendoim”, de João Vargas Penna.
Censura: 12 anos.
Bem-sucedida transposição da novela “Alves & Cia”, escrita por Eça de Queiroz para o filme dirigido pelo mineiro Helvécio Ratton: no Brasil de fins do século 19, o rico comerciante Godofredo Alves descobre sua amada esposa Ludovina nos braços de seu sócio Machado. Furioso, expulsa a mulher de casa e desafia o sócio para um duelo mortal. A partir daí, com este mote, o roteiro propõe várias peripécias, valorizando os elementos clássicos do melodrama: a carta-revelação, a circularidade, a moral da história. Acompanha esta edição o divertido curta “Rua do Amendoim” sobre a rua de Belo Horizonte que ficou famosa por um bizarro fenômeno ótico; ela dá a impressão de ser uma subida, quando, na verdade, trata-se de uma descida.

17 de maio, Sexta-feira: Ensaio Aberto
16h30 / 19h30: Quinteto Metal Nobre: Trompetes: Daniel Gomes / Rogério Souza Lima; Trompa: Rafael Proença; Trombone: Reinaldo Camargo; Tuba: Deivid Peleje.
Coordenação de Reinaldo Camargo, professor da Banda Marcial de Cerquilho e do Conservatório de Tatuí.
Há mais de 20 anos o Quinteto Metal Nobre se reúne para ensaios e apresentações. Formado por dois trompetes, uma trompa, um trombone e uma tuba, o Quinteto tem por objetivo divulgar a música de câmara e já se apresentou em vários Festivais de Inverno de Campos do Jordão e no Conservatório de Tatuí, entre muitos eventos de inúmeras cidades do Brasil.

18 de maio, Sábado de Teatro
21h: Comédia de situações: “Por que os homens mentem?”, – Adaptação da obra de Luís Fernando Veríssimo “As mentiras que os homens contam”. Direção: Heyttor Barsalini.
Elenco: Alessandre Pi, Charles Ferreira, Christian Hilário, Juliano Mazurchi, Ricardo Vandré.
Classificação: 12 anos.
Valor do ingresso: R$40,00 (inteira); R$20,00 (meia) – desconto de 50% para maiores de 60 anos, aposentados, estudantes, portadores de necessidades especiais, doadores de medula óssea e para quem trouxer uma caixa de leite longa vida que será doada ao Lar São José.
Em razão do sucesso e numeroso público presente no espetáculo em agosto de 2011, a Companhia Teatral Nósmesmos Produções Artísticas volta a Cerquilho com a hilariante comédia “Por que os homens mentem?” A peça, já aplaudida por mais de 400 mil espectadores, é uma adaptação do livro “As mentiras que os homens contam” de Luís Fernando Veríssimo e agrada por proporcionar identificação imediata com o público. A apresentação é dividida em esquetes nos quais os atores se revezam nos papéis de esposa e marido e retratam cenas do cotidiano de amigos e casais. Uma comédia que trata de situações do cotidiano de uma maneira sutil e bem humorada. O texto inteligente de Veríssimo decifra as circunstâncias que tais mentiras são quase verdades. Do marido que não quer magoar a esposa dedicada, ao amigo que não pode revelar o que realmente aconteceu, as mentiras se justificam, algo inevitáveis, para o convívio social. As pequenas mentiras, claro: aquelas que percorrem o dia-a-dia, sutilmente, sem causar estragos. Aliás, evitando grandes e irreversíveis estragos. O elenco é formado por cinco atores que se dividem nas crônicas, interpretando diversos personagens, inclusive os personagens femininos. Luís Fernando Veríssimo nasceu em Porto Alegre. É um dos autores mais populares e prestigiados do país. É autor de mais de 60 livros, já foi traduzido em 11 países. Entre suas obras estão os best-sellers “Comédia da vida privada” e “Clube dos anjos”. Release fornecido pelo produtor da peça.

19 de maio, Domingo no Cinema
14h: Filme (infantil): “Animações para crianças (que todos adoram!)”.
Esta coleção de animações reúne filmes de várias épocas, em um panorama de temas, técnicas e sotaques que divertem pais e filhos. Entre os clássicos da animação brasileira estão “O Natal do burrinho”, que conta a história do nascimento de Jesus Cristo, e “Frankstein punk”, uma versão bem-humorada e simpática do clássico monstro, construído em massinha. A produção atual também marca presença em filmes que já misturam as técnicas convencionais de animação à computação gráfica, como é o caso de” Ícarus e Pajerama”. O programa se completa com retratos de personagens do imaginário brasileiro. É o caso de “Ele”, desenho animado criado por crianças capixabas sobre o compositor Noel Rosa; “Peixe frito”, sobre a história de um pescador; e “Rua das Tulipas”, que apresenta a vida de um inventor maluco.
17h: Filme (adulto): “O corpo”, de José Antonio Garcia, com Marieta Severo, Antônio Fagundes e Claudia Jimenez.
Censura: 16 anos.
Sorteio de brindes da loja “Maria Novidades” para os que chegarem antes das 17h.
O farmacêutico Xavier vive feliz com suas duas esposas, Bia e Carmem, apesar dos protestos da cidade. A santa paz conjugal só é quebrada quando Xavier arranja uma terceira esposa, Monique. Inconformadas com a traição, Bia e Carmem fazem um pacto macabro, transformando o tom farsesco inicial em tragicomédia.

21 de maio, Terça-feira de Literatura e Artesanato
19h: Inauguração do 26º EDITA BRASIL – Encontro Internacional de Editores Independentes e da 1ª Feira do Livro no Teatro.
Coordenação: Uberto Stabile (Espanha) e Cristiane Grando (Brasil).
Inauguração do projeto “Mãos Cerquilhenses”.
Coordenação: Cristiane Grando e Paula Silva.

20h: Grupo de Choro – Conservatório de Tatuí.
Coordenação: Alexandre Bauab Jr.
O Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí é um dos grandes incentivadores do gênero no Brasil. Com notável capacidade de improvisação, os músicos da instituição destacam-se pela grande versatilidade e vasto repertório, sempre baseado na pesquisa e divulgação do gênero. O grupo já se apresentou em diferentes pontos do Estado de São Paulo, incluindo o Teatro Claudio Santoro (Campos de Jordão), Sesc Paulista (no programa “Brasil Instrumental” da TV Sesc-Senac), palco da TV Cultura (no programa “Jazz & Companhia”), Memorial da América Latina e Sala São Paulo. O Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí é resultado do ineditismo da instituição, pois foi a primeira escola de música brasileira mantida por um governo estadual a incluir em seu currículo o “Choro” como curso regular. Essa iniciativa busca resgatar o gênero, bem como as tradições e os melhores compositores do nosso país. Fundado em 1993, além de apresentações públicas, o grupo atua na formação de novos músicos e novos públicos. Coordenado pelo violonista Alexandre Bauab, o Grupo de Choro gravou seu primeiro CD em 1999. O grupo tem ainda participações nos CDs “Horn Brasil” (do trompista Adalto Soares); “Soleil” (da cantora francesa Clementine, artista da Sony Music do Japão); e participou da trilha do longa-metragem “Divino”, sobre o jogador de futebol Ademir da Guia.

22 de maio, Quarta-feira: 26° EDITA
9h / 12h – 14h / 21h: I Feira do Livro no Teatro.
Atividades culturais no auditório e feira do livro na recepção do Teatro.

22 de maio, Cinema na 4ª-feira
20h: “Curta cada página”.
Censura: 14 anos.
Filmes baseados em livros são muito comuns desde o início da História do Cinema. Mas filmes que tomam o objeto livro como elemento dramático ou foco de interesse documental não são tão frequentes assim. Nos seis curtas aqui reunidos os personagens desenvolvem algum tipo de relação especial com os livros ou com o seu coletivo, a biblioteca. Os gêneros são os mais variados, da comédia terrorífica à aventura romântica, do documentário humanista à fantasia lírica. No centro de tudo, a paixão pela literatura e pelos ambientes a ela relacionados. De alguma maneira, esses filmes se referem também à paixão pelo cinema e pela mágica ponte que se estende entre as duas formas de expressão.

23 de maio, Quinta-feira: 26° EDITA
9h / 12h – 14h / 21h: I Feira do Livro no Teatro.
Atividades culturais no auditório e feira do livro na recepção do Teatro.

25 de maio, Sábado de Teatro
21h: Monólogo-comédia “Meninas Crescidas Não Choram”, com a atriz Nany People.
Elenco: Nany People.
Escrito e Dirigido por Yuri Gofman.
Produção: Waldir Terence.
Assessoria de Comunicação: Valtinho Fragoso.
Valor do ingresso: R$30,00 (inteira), R$20,00 (promocional) – vendas antecipadas ou para quem trouxer 1kg de alimento não perecível que será doado ao Lar São José), R$15,00 (meia) – desconto de 50% para maiores de 60 anos, aposentados, estudantes, portadores de necessidades especiais e doadores de medula óssea.
“Meninas Crescidas não Choram”. Pergunta e exclamação. Sensibilidade e racionalidade. Nossa personagem, a advogada especializada em divórcios, Lilith Éden, é uma mulher controversa. Poucos a conhecem a fundo, a sua origem, a data do seu nascimento, sequer os seus pais. Seu primeiro e único livro se torna o maior fenômeno editorial da história. Mas parece que mesmo sendo lido por bilhões de mulheres no mundo, seus conselhos não estão sendo seguidos e ela sai de sua reclusão e passa a dar palestras para tentar entender porque tantas concordam… mas poucas executam. Em uma história envolvente ela se desdobra em diversos personagens. De humor ácido e ágil, a atriz Nany People vai mostrar que a mulher não só tem que mudar seu jeito de lidar com a vida mas se reinventar. A nova cartilha de educação feminina da Dra. Lilith está revolucionando a sociedade mundial. Mais poderosa que Cleópatra, perseguida tal qual Maria Madalena, independente como Elisabeth I, a Rainha Virgem, e ainda mais sensual que Marylin Monroe. O fenômeno espera por mulheres e homens para disseminar a nova ordem mundial com seu best-seller que já vendeu mais do que todos do Paulo Coelho e Harry Potter juntos! Release fornecido pelo produtor da peça.

26 de maio, Domingo no Cinema
14h: Filme (infantil): “O cavalinho azul”, de Eduardo Escorel; “Portinholas”, por 150 alunos da rede municipal de ensino fundamental de Vitória/ES.
Filmes inspirados na literatura, na pintura e no teatro brasileiro voltados para o público infanto-juvenil e que homenageiam grandes autores do gênero a partir das suas obras: “Portinholas”, do livro homônimo da escritora Ana Maria Machado, é o resultado de um projeto realizado com 150 crianças da rede pública, pelo Instituto Marlin Azul/Projeto animação, em Vitória- ES. As crianças criaram e animaram o curta que, como no livro, faz uma viagem ao mundo das artes através da pintura de Portinari. “O Cavalinho Azul”, filme em longa metragem de Eduardo Escorel, baseou-se na peça homônima, escrita pela teatróloga infantil Maria Clara Machado. A obra de Escorel, realizada em 1984, já é considerada um clássico do cinema infantil.
17h: Documentários (adulto): “Boleiros, era uma vez o futebol”, de Ugo Giorgetti; “Uma história de futebol”, de Paulo Machline.
Censura: Livre.
Sorteio de bolas de futebol para os que chegarem antes das 17h. Apoio: Coocerqui.
Uma seleção que não marca apenas um gol, mas faz uma goleada… Assim é a escolha dos filmes escalados para este programa sobre uma das paixões nacionais: o futebol. “Boleiros, era uma vez o futebol” já nasceu clássico. Basta conferir o elenco. O “técnico” Ugo Giorgetti não quer saber de retranca e bota o time todo no ataque. O longa-metragem trata de “causos” saborosos, fruto das memórias de gente que nasce e vive do esporte. Mas nem todas as narrativas são felizes nesta obra de forte apelo popular. Afinal de contas, racismo, trambiques, amores, fracassos e ilusões fazem parte de todos os tipos de enredo – e o futebol, é claro, não é exceção. Já o curta-metragem “Uma história de futebol”, de Paulo Machline, é uma ficção sobre as lembranças de um garoto que jogou um dia com aquele que seria, pouco tempo depois, o rei Pelé. Premiado em vários festivais, foi escolhido melhor curta no Grande Prêmio Cinema Brasil e fez parte da seleção oficial de curtas-metragens do Oscar em 2001. Dois filmes que dão um show de bola!

29 de maio, Cinema na 4ª-feira
20h: “Beijo 2348/72”, de Walter Rogerio, com Maitê Proença, Chiquinho Brandão, Fernanda Torres, Antônio Fagundes, Ary Fontoura, Miguel Falabella, Walmor Chagas, Miriam Pires, Gianfrancesco Guarnieri.
Censura: 14 anos.
Um operário e uma operária de uma grande tecelagem de São Paulo são demitidos por justa causa, acusados de terem se beijado no ambiente de trabalho. A moça, casada, se conformou com os acontecimentos. O rapaz, solteiro, apelou à Justiça do Trabalho. O tempo passou, o processo trabalhista engordou, atravessou todas as instâncias até o Tribunal Superior do Trabalho (TST) em Brasília e, anos depois, o operário ganhou a causa, correspondente à irrisória quantia de oitocentos e seis cruzeiros e vinte centavos.

31 de maio, Sexta-feira: Ensaio Aberto
16h30 / 19h30: Quinteto Metal Nobre: Trompetes: Daniel Gomes / Rogério Souza Lima; Trompa: Rafael Proença; Trombone: Reinaldo Camargo; Tuba: Deivid Peleje.
Coordenação de Reinaldo Camargo, professor da Banda Marcial de Cerquilho e do Conservatório de Tatuí.
Há mais de 20 anos o Quinteto Metal Nobre se reúne para ensaios e apresentações. Formado por dois trompetes, uma trompa, um trombone e uma tuba, o Quinteto tem por objetivo divulgar a música de câmara e já se apresentou em vários Festivais de Inverno de Campos do Jordão e no Conservatório de Tatuí, entre muitos eventos de inúmeras cidades do Brasil.

* Cinema Brasileiro no Teatro: um projeto em parceria com a Programadora Brasil

0 comentários:

Obrigado pelo seu Comentario, seja bem vindo !

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga