Aumenta número de mortes suspeitas em UTI paranaense

09:05 Radio Ideal FM 0 Comentarios



Sob o título de Felicidade S/A, o jornalista Alexandre Teixeira, autor do livro de mesmo nome, será um dos destaques do Congresso Mega Brasil de Comunicação, que acontecerá nos dias 23, 24 e 25 de abril, no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo. Amparado por um ano de pesquisas no mundo corporativo, Alexandre, que já passou pelas redações de Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Época Negócios, vai mostrar por que a satisfação com o trabalho é a utopia possível para o Século 21. O Congresso espera reunir, em torno de suas 40 atividades, cerca de 1.000 profissionais. Entre os destaques, quatro conferências internacionais, lançamento do Anuário Brasileiro da Comunicação Corporativa, homenagem ao Caco Alzugaray e ao Domingo Alzugaray com a entrega do Prêmio Personalidade da Comunicação e o painel de encerramento Crème de la Crème, com o melhor do conteúdo do Congresso. Programação completa, informações sobre o evento e inscrições estão disponíveis no http://www.megabrasil.com.br. Além de descontos especiais para inscrições antecipadas, há vários pacotes de incentivo a grupos de participantes das áreas pública e privada e também do Norte e Nordeste.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O Fórum de Mudanças Climáticas está divulgando notas sobre os acontecimentos naturais dos últimos tempos no Brasil e no mundo. No semi-árido brasileiro, não chove o suficiente para acabar com a falta de água há muitos meses, e as previsões ainda indicam que as chuvas podem demorar. Por outro lado nos últimos dias, ouvimos notícias de enchentes na Argentina. As cidades de La Plata e a grande Buenos Aires ficaram inundadas durante dias, quando 57 pessoas morreram. Isso aumentou o sofrimento de famílias que perderam casas e tudo mais que necessitam para viver. Estas notícias nos levam a pergunta: Por que estão acontecendo secas tão longas e enchentes tão devastadoras? Seriam fenômenos naturais?
Buscando respostas, é natural que haja tempos de estiagem em uma região semi-árida. Mas fica cada vez mais difícil afirmar que uma seca tão prolongada seja ainda natural. Da mesma forma, a queda de fortes chuvas é normal em regiões como a Argentina, mas é cada vez mais difícil acreditar que enchentes como estas sejam ainda um fenômeno natural. Os estudiosos do clima da terra criaram a expressão, “eventos climáticos extremos”, para dar conta de secas tão prolongadas e enchentes tão devastadoras. Estes eventos se tornam extremos por causa do aquecimento do planeta, que também não é evento natural, e sim causado por ações humanas. Por isso, só mesmo mudanças profundas no modo produtivistas e consumistas dos seres humanos podem ajudar a terra a recuperar seu equilíbrio.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
REFLEXÃO
A Vida nova, a Vida segundo o Espírito, não é algo que a pessoa humana possa conseguir por si mesma, uma vez que é algo que está muito além da sua própria natureza, portanto algo que foge às suas capacidades. A Vida nova é a vida da graça, que nos é dada pelo próprio Deus, a partir do mistério pascal de Jesus. A condição para a participação nessa Vida em Cristo é a fé; todos os que acreditam que Jesus, crucificado, morto e ressuscitado, é o Filho de Deus, a segunda Pessoa da Santíssima Trindade que se fez homem para ser o Emanuel, o Deus conosco, recebem dele o dom da Vida em plenitude, o dom da vida eterna.
COMEMORAÇÕES
Nascimento
  • Dom Paulo Roberto Beloto, Bispo de Formosa - GO
Ordenação Episcopal
  • Dom Clóvis Frainer, OFMCap, Arcebispo Emérito de Juiz de Fora - MG
NOTÍCIAS
O arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, recebeu na manhã desta segunda-feira, 8, a visita do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho. O representante do Governo Federal solicitou ao religioso a indicação de pessoas que possam integrar o comitê nacional do Programa Água para Todos, que tem como objetivo discutir as políticas públicas para o Semiárido Brasileiro.
O comitê funciona com representações dos ministérios da Integração Nacional, Saúde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Agrário, além do Banco do Brasil. A partir de agora terá também a participação da sociedade civil capitaneada pela Igreja. "Estamos dispostos a incorporar todo o esforço feito pelos grupos que são coordenados pelo senhor dom Fernando. Inclusive podemos pensar em descentralizar as reuniões, que hoje acontecem em Brasília, para que possamos mobilizar todo mundo", afirmou o ministro Bezerra Coelho.
O arcebispo recebeu o convite com alegria e esperança. "Agora vamos nomear três ou quatro pessoas para que possam discutir em âmbito nacional ações concretas para o combate à seca e para a garantia de convivência com todos os outros desafios do Semiárido Brasileiro. Isso nos dá mais certeza de que estamos caminhando para resolver problemas complexos e históricos que exigem a participação de todos", comemorou dom Saburido.
A reunião foi acompanhada pelo presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil Regional Nordeste 2 (CNBB NE2), dom Genival Saraiva; pelo secretário regional da Cáritas NE2, padre Jandeílson Alencar; além do presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape), Doriel Barros, e do secretário de Agricultura Familiar de Pernambuco, Aldo Santos.Todos cobraram do ministro ações estruturadoras que minimizem os efeitos da estiagem que já entrou para o segundo ano e é considerada a pior dos últimos 50 anos.
"Se tivéssemos a água da Transposição do São Francisco correndo nos canais não estaríamos passando por essa situação tão difícil. A promessa é de que essa obra seja concluída em 2015, juntamente, com outras importantes ações hídricas. Até lá, vamos cobrando as ações emergenciais e contribuindo para que dinheiro do povo chegue ao povo que mais precisa", declarou dom Genival Saraiva.
"Todo comitê deve contar com a presença da sociedade civil. Felizmente, vamos poder enfim participar do Água para Todos. É sem dúvidas uma conquista importante que vamos aproveitar para trabalhar na garantia de ações estruturantes para o Semiárido", disse Doriel Barros.
O ministro Fernando Bezerra Coelho acolheu as críticas e sugestões e detalhou o cronograma de obras e ações que o Governo Federal e os governos estaduais estão tomando para garantir a segurança hídrica no Semiárido. "As cobranças são importantes e bem-vindas. Admitimos que a situação não é fácil, mas ela não apaga as ações e os investimentos que o Governo vem fazendo nos últimos dez anos. Mas temos muito que avançar, e por isso, contamos com vocês", disse.

A 51ª Assembleia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) terá início amanhã, 10 de abril, no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida, no Santuário Nacional, em Aparecida (SP).
O episcopado brasileiro se reúne para participar do evento que tem como tema central “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”.
Para acolher os bispos brasileiros, o Santuário Nacional e a CNBB acertam os últimos detalhes de infraestrutura e organização.
Os Bispos vão contar com toda infraestrutura do Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida, localizado no Pátio da Basílica.
Imprensa, serviço médico e segurança
Salas de apoio, secretaria, Sala de imprensa, acesso à internet, segurança e ambulatório médico foram preparados para recepção do encontro.
Durante todos os dias da Assembleia, os bispos poderão contar com um ambulatório médico montado exclusivamente para a ocasião.
Das 7h às 19h os bispos terão atendimento médio, poderão fazer exames laboratoriais e também terão vacinação contra gripe.
Paramentos litúrgicos em geral, livros, objetos e vestes estão à disposição em 22 estandes pelos corredores do Centro de Eventos para auxiliar os bispos do Brasil.
Várias empresas do ramo colocaram seus colaboradores durante toda a Assembleia para o atendimento aos bispos.
Programação – A programação da Assembleia já está definida pela coordenação da CNBB. As missas serão realizadas no Altar Central da Basílica.
Na programação constam os horários das celebrações e sessões no Centro de Eventos.
A celebração de abertura da AG será no dia 10 de abril às 7h30 na Basílica e a Cerimônia de encerramento no dia 19 de abril às 10h30 no Centro de Eventos.
Nos dias 13 e 14 de abril os bispos do Brasil participam de um retiro espiritual no Centro de Eventos.
Entre as atividades dos bispos na 51ª Assembleia Geral estão a missa com Laudes no Altar Central do Santuário às 7h30, as sessões no Centro de Eventos e uma coletiva de imprensa, às 15h, com a participação de três bispos.

Uma missa celebrada às 7h30, nesta quarta-feira, 10 de abril, no Santuário Nacional abrirá a 51ª Assembleia Geral dos Bispos da CNBB, em Aparecida (SP). Para o evento confirmaram presença, até o momento, 361 bispos de todo o Brasil, destes 43 são eméritos. Já o número total de participantes chega a 451, entre assessores, secretários de regionais, organismos, colaboradores e convidados. As sessões e outras atividades serão realizadas no Centro de Eventos Pe. Vitor Coelho de Almeida.
A Assembleia contará com a participação de bispos dos 17 regionais da CNBB: Centro-Oeste, Leste, Nordeste, Noroeste, Norte, Oeste e Sul. De acordo com o regulamento geral, “a Assembleia, órgão supremo da CNBB, é nesta a expressão e a realização maiores do afeto colegial, da comunhão e corresponsabilidade dos Pastores da Igreja no Brasil”. Durante a Assembleia, os bispos tratarão de “assuntos de ordem espiritual e de ordem temporal e os problemas emergentes da vida das pessoas e da sociedade, sempre na perspectiva da evangelização”.
São convidados para as Assembleias Gerais, com voto consultivo, os bispos eméritos e outros bispos, de qualquer rito, em comunhão com a Santa Sé e que tenham domicílio no País e aqueles nomeados ou eleitos que ainda não forem membros da CNBB. Para as sessões é convidado, também, o Núncio Apostólico no Brasil, em razão de seu múnus. Os membros da Assembleia Geral têm toda a autoridade e competência para aprovação de documentos, instruções pastorais e diretrizes, inclusive as declarações doutrinais de magistério. De acordo com o regulamento, trem direito a “voto consultivo e deliberado apenas os membros presentes”.

Twitter, fan page, site, espaço de apoio aos jornalistas e sala de imprensa. Estes são alguns dos apoios que a imprensa terá para fazer a cobertura da 51ª Assembleia dos Bispos do Brasil durante os 10 dias do evento.
Os organizadores da AG cuidaram e arquitetaram para que a imprensa tivesse uma boa acolhida e ótimas condições de trabalho na Assembleia deste ano. Os jornalistas terão uma sala exclusiva, montada na entrada do Centro de Eventos padre Vitor Coelho de Almeida, onde poderão produzir os textos.
A sala está equipada com ar-condicionado, internet , mesas e cadeiras suficientes para que cerca de 30 jornalistas fiquem instalados individualmente e de maneira confortável. Os jornalistas ainda contarão com um estúdio onde poderão produzir seus materiais de áudio.
Para um maior apoio aos profissionais, também foi montada uma sala de imprensa da CNBB que conta com seis assessores para o atendimento. No espaço virtual, a imprensa poderá contar com informações postadas no site da CNBB e também com a cobertura feita através das redes sociais da Conferência, twitterfacebook e fanpage da Assembleia.
Até o momento, a assessoria de imprensa da CNBB já cadastrou, para a cobertura da AG, mais de 100 profissionais de comunicação de veículos de todo o Brasil.

Padre César Augusto e o jornalista Silvonei José, da equipe da Rádio Vaticano, são convidados da CNBB para a cobertura da assembleia geral. Eles já estão instalados na área especial para a imprensa e vão passar boletins diários para os ouvintes da emissora do Papa.
Há 12 anos, sem interrupção, a equipe da Rádio participa do encontro anual dos bispos e realiza o trabalho especial. Silvonei José considera que “o mais interessante dessa experiência é que, por meio do contato com os bispos, se sente o pulsar do coração da Igreja no Brasil, um coração que pulsa em sintonia”. O jornalista, que trabalha há muitos anos no Vaticano, também que valoriza a ocasião porque “poder contar para os ouvintes da Rádio Vaticano que vivem aqui no Brasil e outras partes do mundo o que acontece durante uma assembleia geral do episcopado é um grande privilégio”.
A Rádio Vaticano, segundo  informações oficiais, é a emissora radiofônica da Santa Sé, com sede legal no Estado da Cidade do Vaticano, e é instrumento de comunicação e de evangelização a serviço do Ministério Petrino. Foi projetada por Guglielmo Marconi e inaugurada por Pio XI em 12 de fevereiro de 1931. A tarefa principal emissora é proclamar, com liberdade, fidelidade e eficiência, a mensagem cristã e unir o centro da catolicidade com os diversos países do mundo: difundindo a voz e os ensinamentos do Papa; fornecendo informações sobre atividades da Santa Sé vida e da Igreja Católica no mundo e orientando os fiéis a avaliarem os problemas do momento à luz dos Ensinamentos e do Magistério da Igreja.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

DEMOCRATIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

POLÍTICA

INTERNET

POLÍTICA DE RÁDIO E TV

TELECOM

COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA

IMPRENSA & JORNALISMO

COMUNICAÇÃO & EDUCAÇÃO

MERCADO DE COMUNICAÇÃO

TELEVISÃO

CULTURA

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


19_05_11_Equipamentos_Radio_DSC_05911Foi aprovado, na quarta-feira (23), na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado (CCT) o Projeto de Lei 556/07, que permite às rádios comunitárias receberem recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O financiamento poderá ser usado para aquisição de equipamentos, modernização das instalações ou para a produção de programas culturais e educativos, assim como cursos de formação profissional.
O senador Walter Pinheiro, relator do projeto na CCT, justifica o parecer favorável lembrando da dificuldade que as emissoras comunitárias têm para se manter.
“Havia a lacuna do financiamento. As rádios comunitárias não podiam ter acesso a recursos principalmente para aquisição de equipamentos, para melhoramentos, e até gozar de benefícios da legislação existente”.
O texto foi aprovado em caráter terminativo. Se não houver manifestação para que o projeto seja analisado em plenário, a proposta segue para a Câmara dos Deputados.
A professora Cicilia Krohling Peruzzo, da Universidade Metodista de São Paulo, que faz pesquisa na área de comunicação comunitária, considera o projeto um avanço, mas que não resolve o problema, já que essas rádios, que são instituições sem fins lucrativos, terão que pagar o financiamento.
“Em um primeiro momento me parece uma questão bem interessante, no entanto, resta saber sobre o retorno desse financiamento ao banco. Na modalidade atual, as rádios comunitárias, com raríssimas exceções, não teriam como estar, depois, pagando esse financiamento, devolvendo ao banco, não tem entrada de recursos”.
Pelo texto do projeto, o financiamento será concedido com prazo de até dez anos, carência de dois anos e correção pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP).
A professora defende que seja criado um fundo de apoio para as rádios comunitárias, com critérios para que possam ser passados recursos, a fundo perdido, para emissoras que têm papel significativo em suas localidades.
Também foi aprovada na comissão o Projeto de Lei 629/11, que permite que rádios comunitárias recebam recursos por meio da Lei de Incentivo à Cultura. Na opinião da professora Cicilia, isso seria uma solução melhor do que o financiamento.
“É outra rubrica. Aí sim é um apoio para o crescimento das emissoras, melhoria, outro tipo de aporte”, disse.
De acordo com o Ministério das Comunicações, rádio comunitária é uma emissora de baixa potência que serve de canal de comunicação dentro de uma comunidade, para a divulgação de ideias, manifestações culturais e hábitos sociais, sendo aberta à participação da população local. É necessário ter uma outorga para funcionar e a emissora não pode ter fins lucrativos nem ser vinculada a entidades como partidos políticos e instituições religiosas.
Agência Brasil
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

0 comentários:

Obrigado pelo seu Comentario, seja bem vindo !

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga