Tolerância zero e diretrizes contra a repetição dos horrores da pedofilia

22:44 Radio Ideal FM 0 Comentarios



REFLEXÃO
Muitas vezes tentamos explicar a realidade do Reino de Deus de uma forma muito complicada, repleta de elaborações doutrinais e de palavras com significados bem específicos que exigem dicionários e conhecimentos específicos em várias ciências para a sua compreensão. Jesus não age assim. Ele procura revelar as verdades do Reino de forma muito simples, compreensível para todas as pessoas, para que os simples e humildes possam acolher a proposta divina e dar a sua adesão a esta proposta sem desanimar diante de dificuldades teóricas e científicas.
COMEMORAÇÕES
Nascimento
  • Dom Francisco Canindé Palhano, Bispo de Bonfim - BA
Ordenação Presbiteral
  • Dom Jaime Vieira Rocha, Arcebispo de Natal - RN
NOTÍCIAS
Papa Bento XVI, durante a audiência geral da última quarta-feira, 30 de janeiro, recebeu do diretor do Centro para a Proteção dos Menores e do Instituto de Psicologia da Pontifícia Universidade Gregoriana, o padre jesuíta Hans Zollner, o livro das atas do simpósio internacional realizado há um ano sobre os abusos cometidos por pessoas do clero contra menores de idade e a resposta que foi dada pela Igreja.
A matéria é da agência de notícias ZENIT:
O volume, escrito em alemão, foi entregue ao papa no final da audiência. As atas foram redigidas no simpósio “Rumo à cura e à renovação”, que, de 6 a 9 de janeiro de 2012, contou com a participação de 110 conferências episcopais, representadas, na maior parte dos casos, pelo bispo encarregado dos casos de abuso na respectiva conferência. Participaram ainda superiores gerais de mais de trinta ordens religiosas e cerca de setenta especialistas em direito canônico, bem como psiquiatras e psicoterapeutas que trabalham com as vítimas e com os abusadores.
As atas do simpósio serão apresentadas ao público no próximo dia 5 de fevereiro, também na Universidade Gregoriana. Serão divulgadas ainda as atividades do Centro para a Proteção dos Menores e o programa de e-learning criado na Alemanha para prevenir abusos contra menores na Igreja e na sociedade, além de prestar a ajuda devida às vítimas.
As iniciativas fazem parte da estratégia firme e decidida do Vaticano na luta contra a pedofilia no interior da Igreja.
Na entrega das atas também estava presente o diretor da assessoria de imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, que participou do simpósio. Na ocasião, o porta-voz vaticano disse a ZENIT que, “além de aumentar o rigor no combate ao crime dos abusos contra menores, cometidos por pessoas da Igreja, a iniciativa identificará um percurso que ajude as vítimas e crie condições para evitar que pecados semelhantes se repitam no futuro”.
Lombardi acrescentou que as conferências episcopais estavam trabalhando “para pôr a circular em prática, formulando as suas diretrizes”. Trata-se de “redigir um documento, mas também de praticá-lo. Todo intercâmbio de experiências será útil”.
O jesuíta precisou que a Universidade Gregoriana sediou o simpósio por ser “um grande centro acadêmico capaz de organizar uma iniciativa como esta, que pede capacidades de tipo moral, jurídico, canônico, pastoral e psicológico”, e especificou que o convênio foi gerido pelo Instituto de Psicologia da Gregoriana, assim como o centro especializado que lhe dá suporte.
Dom Charles Scicluna, promotor de justiça da Congregação para a Doutrina da Fé, destacou no simpósio a vontade firme de “extirpar e prevenir esta chaga aberta”, porque “os abusos são um fenômeno muito triste que, além de pecado, são um delito. E como delito, existe para eles a justa jurisdição do Estado e o dever de colaborar com esta jurisdição penal”.
Duas cerimônias marcaram o final do simpósio: a primeira, penitencial, foi presidida pelo cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos. A segunda, uma missa concelebrada, foi presidida pelo cardeal Fernando Filoni, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos

Termina nesta sexta-feira, 1° de fevereiro, em Porto Alegre (RS), a 24ª Assembleia Geral da Associação dos Liturgistas do Brasil (ASLI) – que é realizado no Convento Capuchinho São Lourenço Brindisi. A Assembleia foi iniciada na tarde de segunda-feira, dia 28 de janeiro.
O encontro reuniu 56 participantes entre padres, religiosos/as e leigos que atuam como professores ou formadores de institutos, universidades, faculdades ou como coordenadores da Pastoral Litúrgica nas diversas dioceses brasileiras. Nestes dias, foram abordados os estudos sobre os 50 anos do Sacrossanto Concílio na perspectiva do reavivamento do ensino da liturgia, no desenvolvimento de uma formação que contemple as intuições e teologia do documento.
Integrante do Clero da arquidiocese de Porto Alegre e presidente da ASLI, padre Gustavo Haas destaca que os estudos da Assembleia darão sequência ao que já foi iniciado em 2011 e em 2012: “Este ano estamos dando sequência aos dois últimos encontros sobre os 50 anos da Sacrossanto Concílio. Este foi o primeiro documento do Concílio Vaticano II, aprovado em dezembro de 1963. Nós queremos refletir sobre o documento a partir do ensino e como professores: o que o documento nos diz; o que nos provoca e o que desafia para a nossa missão de hoje” destacou padre Gustavo.
O presidente enfatizou a importância da Assembleia como ponto de encontro para a Associação e lembrou que este é um espaço apropriado “para a partilha das inquietações, desafios, conquistas e acertos”. A Associação conta com o apoio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
Da 24ª Assembleia da ASLI participam representantes dos estados do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Santa Carina, Bahia, Pernambuco, Paraná, Amazonas, Goiás e Pará.

A programação em comemoração aos 50 anos de história da Campanha da Fraternidade (CF) será realizada no dia 14 de fevereiro, em Nísia Floresta (RN), e no dia 15, em Natal. O município de Nísia Floresta foi escolhido, para a comemoração do cinquentenário, por ter sido o local onde aconteceu a primeira CF, em 1962, já o lançamento nacional da CF será no dia 13, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília.
Nos dois dias de comemoração, a programação contará com a participação do Núncio Apostólico no Brasil, dom Giovanni D’aniello; do secretário nacional da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner; bispos do Regional Nordeste 2, da CNBB, e do assessor nacional da CF, padre Luiz Carlos Dias.
No dia 14, na cidade de Nísia Floresta, as atividades terão início às 14h, com acolhida ao Núncio e aos bispos. Às 14h30, haverá um momento com a imprensa. Às 15h, missa, na Igreja de Nossa Senhora do Ó. Às 16h30, visita ao túmulo de Nísia Floresta. Às 17h, acontecerá uma visita à comunidade Timbó (RN), onde aconteceu a primeira experiência da Campanha da Fraternidade.
No dia 15, no Centro de Convenções, na Via Costeira de Natal, acontecerá um Seminário, com o tema: “Igreja, fundamento de fraternidade”. O evento se iniciará às 8h30, com a solenidade de lançamento nacional da Campanha da Fraternidade 2013.Durante a manhã, serão proferidas três palestras, enfatizando a trajetória da CF, tendo como expositores o arcebispo de Natal, dom Jaime Vieira Rocha, o professor Otto Santana, e o padre José Adalberto Vanzela, ex-assessor da CNBB. No final da manhã, acontecerá uma quarta palestra, com o tema "Fraternidade e Juventude", proferida por Dunga, missionário da Canção Nova.
Durante a tarde, haverá uma mesa redonda, que debaterá a temática ligada à juventude, enfoque da CF deste ano.  Na mesa, estarão dom Eduardo Pinheiro, presidente da Comissão da Juventude, da CNBB; padre Robério Camilo da Silva, da arquidiocese de Natal; e Fernando Geronazzo de Souza, coordenador nacional do Grupo Jovens Conectados. O tema “Eis-me aqui, envia-me” é o tema da última palestra do Seminário, às 16h, proferida pelo Padre Fábio de Melo.
Ainda no dia 15, às 19h, na Catedral Metropolitana, haverá celebração eucarística, seguida de uma vigília e adoração ao Santíssimo. A vigília contará com a participação de Eliana Ribeiro, da Comunidade Canção Nova.

No dia 26 de janeiro aconteceu no Seminário São José na cidade de Pesqueira (PE) mais uma das atividades relacionadas à 5ª Semana Social Brasileira (SSB). Foi uma roda de conversa para discutir assuntos pontuais da atualidade. Na ocasião foram abordados três temas relevantes: uma experiência rural exitosa, a vitória contra a dependência química e a importância do trabalho social nas comunidades menos favorecidas. Várias lideranças locais e representantes governamentais estiveram presentes no debate, entre eles os novos secretários da nova gestão dos municípios de Pesqueira e o Major Medeiros, além de representantes das Cáritas paroquiais e o bispo diocesano, dom José Luiz Ferreira Sales. O Pe. Nelito Dornelas, coordenador nacional da 5ª SSB, participou do evento.A 5ª SSB propõe o tema “Um Novo Estado, Caminho para Uma Nova Sociedade do Bem Viver” e a roda de conversa é uma atividade que propõe mobilizar a sociedade civil para refletir sobre as estruturas sociais, processo de sua democratização, promovendo a participação dos pobres e excluídos na construção de um país justo, democrático, solidário e sustentável. “A CNBB nos convida a refletir sobre um tema que tem a ver com a nossa realidade. É um chamado para que cada um de nós repense sobre essa sociedade que nós constituímos”, disse Neilda Pereira, coordenadora geral da Cáritas Diocesana de Pesqueira.Após a explanação dos palestrantes na roda de conversa, foi aberto um debate com grande participação dos presentes, que interagiram com os temas, demonstrando que é possível abrir espaço para discussão de assuntos tão pertinentes à sociedade em busca de políticas públicas contextualizadas.

Responsável pela temática Teologia da Missão, a religiosa Inês Costalunga, da Congregação das Missionárias da Imaculada (PIME) abriu as atividades do Curso de Extensão em Missiologia e Animação Pastoral, que teve início na noite desta quarta-feira, 30 de janeiro, e segue até o próximo dia 10 de fevereiro, no Centro Cultural Missionário (CCM), em Brasília (DF). A formação reúne 50 pessoas, entre leigos, padres e religiosos. Este é o terceiro e último módulo do curso. O primeiro, realizado em 2011, tratou do tema “O Anúncio da Palavra”; o segundo, no ano passado trabalhou “A comunidade em missão”. Desta vez, para concluir a última etapa, a formação aprofunda sobre “Testemunhas a serviço do Reino”. Para o secretário executivo do CCM, padre Estevão Raschietti, com a conclusão do ciclo formativo, os missionários devem estar aptos a desenvolver uma prática missionária. “Espera-se, com a conclusão deste módulo, que o missionário esteja capacitado a partir de instrumentos básicos, a fazer projetos missionários com coordenadas e critérios para orientar e animar a pastoral nos diversos ambientes: comunidades, dioceses e além-fronteiras”, disse.Segundo o secretário, a Igreja precisa urgentemente de missionários preparados para lidar com os problemas universais contemporâneos e o curso oferece os mecanismos necessários para esse objetivo. “Precisamos de um modelo de Igreja que seja correspondente aos desafios que temos hoje, reorientar a caminhada eclesial segundo os critérios que obedeçam a uma Missão na atualidade”. Padre Estevão destacou ainda que um modelo de Igreja fechada deve ser descartado de uma vez por todas. “Não precisamos de uma Igreja fechada em si mesma”, acentuou. “Precisamos de uma Igreja aberta a todos; para isso devemos mudar a nossa mentalidade que surge através de um aprofundamento crítico”, completou.Neste terceiro módulo da formação, ainda haverá intervenções do mestre em filosofia e educação, doutorando em filosofia e psicanálise, Júlio César Werlang, (4 a 6 de fevereiro) que vai trabalhar o tema “A missão num mundo globalizado”. Padre Estevão Raschietti, por sua vez, fecha a formação com o tema “Projeto comunitário de missão”, nos dias 7 a 10 de fevereiro.

Brasília, 01 de fevereiro de 2013.CJ – Nº 0026/13
Caros irmãos Párocos e Administradores Paroquiais,Vigários Paroquiais e demais Presbíteros
“Eis-me aqui, envia-me! (Is 6,8)”
Emocionados e abalados pelo trágico acontecimento em Santa Maria, nos perguntamos, também, se, realmente, nossas estruturas e instituições, eclesiais ou sociais, têm garantido condições suficientes de vida digna e propostas pedagógico-pastorais a favor da vida dos nossos jovens. A celebração da CF 2013, que estamos para iniciar, quer ser uma rica oportunidade para discutirmos este assunto e encontrarmos novos caminhos. Justamente no Jubileu de Ouro da existência da CF em nossa Igreja e após 20 anos da primeira CF sobre juventude (1992) voltamos a proclamar a todos esta prioridade em nossa dinâmica de evangelização.
Em sua missão de educadora e canal da Graça divina, a Igreja quer dar novo significado a sua presença no meio das novas gerações, considerando sua realidade e favorecendo reflexões, projetos e mecanismos que contribuam com sua vida e participação na construção do Reino. Portanto, não vamos reduzir a CF a encontros e palestras “para” jovens, nem a cartazes fixados nas paredes, hino cantado nas missas, coleta feita no último domingo da Quaresma! Isto tudo é muito importante, mas não basta! Provoquemos ocasiões qualificadas de estudo deste bonito e desafiador tema! Façamos o exercício de escutar os jovens e a sua realidade, apresentada por eles mesmos! Debrucemo-nos em nossos projetos pastorais, organizações e estruturas eclesiais em vista de mudanças a partir dos jovens!
A CF 2013 tem um objetivo claro: “acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção de uma sociedade fraterna fundamentada na cultura da vida, da justiça e da paz” (CF 2013, n.4). Na evangelização da juventude, precisamos sempre adequar os espaços juvenis; qualificar nossa proposta formativo-evangelizadora (catequese, encontros, retiros, palestras, celebrações, subsídios, reuniões), cuidar da escolha e capacitação dos responsáveis diretos pela evangelização da juventude. Aproveitemos deste clima favorável da CF 2013!
A jovialidade da nossa Igreja passa pelo reconhecimento do valor e do significado que têm as novas gerações para os tempos atuais. A perene novidade, que vem de Deus e é condição imprescindível para o desenvolvimento da História da Salvação, encontra nos jovens a sua expressão, o seu olhar, o seu ardor, a sua voz ... o seu coração. Deus tem sempre “novidades” para nós e quis contar com os jovens para que pudéssemos conhecer e experimentar aquilo tudo que preenche a existência e alegra o espírito!
Rezemos mais pela juventude que Deus nos confia para amar e servir! E rezemos “com” ela! Nosso testemunho contribuirá com sua convicção de que sem uma forte espiritualidade não se pode experimentar toda a beleza da vida nem entender todo o seu valor. Continuemos rezando por aqueles jovens, familiares e amigos que vivenciaram o drama de Santa Maria e por tantos outros espalhados pelo país vitimados por inúmeras formas de violência. Unamos nossas preces a favor do Filipe, um jovem engajado na diocese de Ponta Grossa e responsável pela arrecadação de recursos para participação e sua comunidade na JMJ. Nesse final de semana pude visitá-lo na Santa Casa, onde está internado vítima de assalto e vem testemunhando fé e paciência no aguardo de sua saúde completa. Prometi a ele que pediria aos senhores e aos seus jovens uma corrente de oração pelo sucesso do tratamento e procedimentos.
A maternidade de Maria nos eduque na sensibilidade diante do sofrimento de nossos jovens e nos conceda administrar nossos esforços e organizações a favor de sua vida. Que o seu colo refaça nossas energias e nos anime na continuidade de nosso pastoreio no meio dos jovens.
Dom Eduardo Pinheiro da SilvaPresidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB

A Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), iniciou nesta sexta-feira, 01 de fevereiro, e segue até o dia 03, no Centro de Formação Sagrada Família, em São Paulo (SP), o 16º Encontro de Professores de Ecumenismo e de Diálogo Inter-religioso e o 4º Simpósio de Formação Ecumênica.
Com a temática sobre “A mística do diálogo no contexto do pluralismo religioso brasileiro”, o evento objetiva compreender os aspectos determinantes do pluralismo eclesial e religioso no Brasil, preparar agentes de pastoral para o diálogo ecumênico e inter-religioso, e também, capacitar professores do ensino religioso em escolas públicas e particulares.
O evento conta em sua programação com a participação do presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CNBB, dom Francisco Biasin, que fará uma reflexão sobre a “Mística do Diálogo”, e também, a presença da especialista em ciências das religiões, Brenda Carranza, que fará uma análise dos dados do IBGE 2010 sobre as religiões no Brasil.

O presidente do Pontifício Conselho para os Leigos (PCL), cardeal Stanislaw Rylko, visitará a Comunidade Católica Shalom dos dias 1º a 4 de fevereiro.
No sábado, dia 2 de fevereiro, o cardeal atenderá a imprensa em entrevista coletiva na Diaconia Shalom (Aquiraz-CE), sede do Governo Geral da instituição, às 17h. Logo em seguida haverá apresentação do espetáculo “Encontro”, seguida de missa onde será abençoada a pedra fundamental da Igreja da Diaconia. A organização estima que cerca de seis mil pessoas compareçam às atividades.
O cardeal Rylko é o responsável e um dos mentores da Jornada Mundial da Juventude que acontecerá neste ano de 23 a 28 de julho na cidade do Rio de Janeiro (RJ) com a presença do papa Bento XVI. É também o responsável pelo acompanhamento mundial das expressões leigas na Igreja. Foi cardeal Rylko quem seguiu todo o processo de reconhecimento da Comunidade Católica Shalom como uma Associação Internacional Privada de Fieis.

0 comentários:

Obrigado pelo seu Comentario, seja bem vindo !

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga