Ministério das Comunicações abre seleções para novas rádios comunitárias

14:54 Radio Ideal FM 0 Comentarios



POLÍTICA DE RÁDIO E TV

DEMOCRATIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

IMPRENSA & JORNALISMO

TELEVISÃO

POLÍTICA DE TELECOMUNICAÇÕES

COMUNICAÇÃO & EDUCAÇÃO

AUDIOVISUAL

SOCIEDADE DA COMUNICAÇÃO

RÁDIO

CULTURA

POLÍTICA

TELECOM

REFLEXÃO
A pessoa de fé é aquela que acolhe a revelação divina e responde de forma positiva aos seus apelos. Quando a pessoa acolhe Jesus como sendo o Filho de Deus e procura responder de forma positiva a esta presença de Deus em sua vida, ela é constantemente movida ao encontro de Deus e passa a se beneficiar de suas graças e bênçãos. Mas quem não acolhe a revelação, não reconhece Jesus como o verdadeiro Deus presente no meio de nós, não vai ao seu encontro, não participa da sua vida e do seu projeto de amor e, consequentemente, não se beneficia de tudo aquilo que ele nos concede.
COMEMORAÇÕES
Nascimento
  • Dom Meron Mazur, OSBM, Bispo Auxiliar de São João Batista em Curitiba dos Ucranianos
Ordenação Episcopal
  • Dom Jacinto Inácio Flach, Bispo de Criciúma - SC
  • Dom Paulo Cezar Costa, Bispo Auxiliar de São Sebastião do Rio de Janeiro - RJ
  • Dom Nelson Francelino Ferreira, Bispo Auxiliar de São Sebastião do Rio de Janeiro - RJ
  • Dom Pedro Cunha Cruz, Bispo Auxiliar de São Sebastião do Rio de Janeiro - RJ
  • Dom Jaime Spengler, OFM, Bispo Auxiliar de Porto Alegre - RS
NOTÍCIAS
A presidência da CNBB e os bispos que presidem as comissões pastorais que compõem o Consep em encontro iniciado na manhã desta terça-feira, 05 de fevereiro, e que se estende até a quinta-feira, dia 7, começaram o debate sobre o tema da Campanha da Fraternidade de 2015. O processo de escolha dos temas das campanhas que a Igreja realiza durante o período da quaresma desde o início dos anos de 1960 segue roteiro que contempla fases de consulta às comunidades, estudos de especialistas e a definição dos bispos, que é uma das atribuições estatutárias do Consep. Pe. Luiz Carlos Dias, secretário executivo da Campanha da Fraternidade, apresentou os últimos passos dados para se chegar à proposta de um tema que venha responder ao anseio das comunidades. O debate que seguiu a exposição deu oportunidade para o reforço de temas sugeridos com ênfase na realidade e urgências do momento histórico que o Brasil vive.Entre as contribuições oferecidas aos bispos foi dada ênfase a dois temas: povos tradicionais e recepção renovada do Concílio Vaticano II por ocasião da celebração do cinquentenário de sua conclusão. Assessores da Comissão Episcopal para a Caridade, a Justiça e a Paz insistiram na urgência da colocação da situação dos povos tradicionais em todo o Brasil. Cardeal dom Raymundo Damasceno lembrou que será oportuno considerar o Concílio uma vez que se conclui o tempo da celebração jubilar. Esse mesmo tema foi também reforçado pela participação de dom José Belisário, vice-presidente da CNBB. A discussão permanece na pauta e deve ser encerrado de modo que antes do final da reunião, o tema seja definido.

Com roupas brancas e fotos de vítimas estampadas nas camisetas e cartazes, cerca de 3 mil pessoas participaram na noite de sábado, 2, da missa de sétimo dia em homenagem às vítimas do incêndio na boate Kiss. Celebrada na Basílica Nossa Senhora da Medianeira, a cerimônia religiosa reuniu amigos e familiares das 237 vítimas da tragédia que deixou Santa Maria de luto.
Quem não conseguiu entrar, acompanhou a celebração do lado de fora, nas escadarias de acesso ou no pátio do templo. Exército e Brigada Militar fizeram a segurança. Ambulâncias ficaram de prontidão para garantir atendimento às famílias.
A missa foi celebrada pelo bispo auxiliar de Porto Alegre, dom Jaime Spengler, ao lado do Arcebispo de Santa Maria, dom Hélio Adelar Rubert e do bispo dom Irineu Gassen, bispo de Vacaria, junto aos padres Francisco de Assis Silva e Cristiano Quatrin.
“Nós não entendemos tudo. Há coisas que não têm explicação. Que a fé nos conforte nesse momento. Não nos perguntamos se é justo. Eles foram dados a nós e agora estão nas mãos de Deus”, disse dom Jaime ao pedir uma oração aos bombeiros que participaram do resgate na boate.
Autoridades também participaram da celebração. O prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer, esteve no local para homenagear as vítimas. Também compareceu o secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Fabiano Pereira, também participou.
Pela manhã, em frente à Catedral de Santa Maria, mais de 100 pessoas participaram de uma missa para rezar pelos mortos e pedir a recuperação dos feridos. A cada 10 nomes de vítimas que eram pronunciados pelo padre, o sino da catedral tocava. Após a celebração, o grupo caminhou até a frente da boate Kiss e deixou flores.
"Que a nossa celebração seja um sinal de fortalecimento e coragem para que Deus posa fazer deste triste momento uma oportunidade para aprofundarmos a nossa fé", disse ao G1o Padre Francisco de Assis Silva.

Na segunda parte da manhã desta terça-feira, 5 de fevereiro, os membros do Consep acompanharam a apresentação da interpretação do quadro atual da política e de aspectos sociais e econômicos da realidade no Brasil e no mundo. A análise foi feita pela Comissão Brasileira de Justiça e Paz, a CBJP, apresentada pelo prof. Pedro Gontijo e será, posteriormente, disponibilizada no site da CNBB. A avaliação sobre a política internacional da equipe destaca as expectativas do novo mandato do presidente norte-americano Barack Obama com dois destaques. O primeiro se refere a um problema sério antigo: “Ao que parece, ele está disposto a enfrentar as resistências do Congresso e envidar todos os esforços para aprovar lei que regularize a situação de quase 12 milhões de imigrantes que vivem no país clandestinamente, como noticiou a imprensa na semana passada”. O segundo destaque se refere à posição dos Estados Unidos em relação ao debate sobre mudanças climáticas: “Obama acenou ainda que pretende dar uma resposta mais efetiva às mudanças climáticas, assumindo que ´deixar de fazê-lo seria trair nossos filhos e as gerações futuras´. Esta é uma promessa que os ambientalistas só acreditam vendo, considerando, por exemplo, que em relação ao aquecimento global, em seu primeiro mandato, Obama conseguiu convencer o setor automobilístico a tornar os veículos menos poluentes nos próximos anos, mas não teve forças para aprovar no Congresso um plano abrangente sobre as emissões de gases do efeito estufa”. A análise ainda se referiu, em relação ao mundo, o reconhecimento da Palestina pela ONU, o impasse político na Venezuela e o clima político da Argentina.No Brasil, a equipe da CBJP, realçou uma constatação lamentável: “uma leitura da conjuntura política nacional pode evidenciar pouca esperança que nesse ano haja alguma mudança no modus operandi da política institucional no Brasil. Há tempos que ´as ruas´ reclamam uma nova política partidária, outra relação entre público e privado, outra relação entre Estado e Sociedade, outras relações entre democracia representativa e democracia participativa. Todavia, salvo se a mobilização da sociedade conseguir alterar a correlação de forças existente, não há muita expectativa de que algo de significativo aconteça em 2013”. Apesar disso, foi lembrado que alguma semente de transformação pode estar na aplicação da Lei da Ficha Limpa cuja elaboração contou com substanciosa participação da CNBB: “iniciativas como a Lei da Ficha Limpa anunciam possibilidades de alguma mudança, mesmo que tímida. O destaque fica por conta das centenas candidaturas barradas pelos Tribunais Eleitorais. A ação da sociedade, do ministério público e da justiça eleitoral foi fundamental para a aplicação da lei. Além disso, em 2013, haverá reflexos da Lei da Ficha Limpa em espaços do judiciário, legislativo e executivo em estados e municípios em função de normatizações locais que aplicam os mesmos princípios da lei para ocupação de cargos comissionados desses órgãos e poderes”.“Para outros analistas, a equipe econômica do Governo Federal implementou corretamente medidas para incrementar o crescimento econômico e reduzir os custos de produção. O governo precisava impor a redução dos juros para o crédito”, afirmou Pedro Gontijo que também destacou a situação da chamada desintrusão (ato ou efeito de retirar de imóvel quem dele se apossou sem autorização do proprietário) da Terra Indígena Xavante Marãiwatsédé, no Estado do Mato Grosso, que foi totalmente concluída: “embora tenha sido alardeado, pelos políticos do Estado do Mato Grosso, que o processo de desintrusão seria marcado por confrontos e violência, o que se viu foi que transcorreu de maneira pacífica, ordeira e com os direitos garantidos, tanto para o Povo Xavante, que teve devolvida a terra de onde foram arrancados em 1966; como para os pequenos agricultores, historicamente manipulados pelos grandes fazendeiros, que têm agora a possibilidade de reconstruir suas vidas autonomamente, de maneira legal e com o apoio de programas sociais”. Dom Leonardo Steiner, Secretário Geral da CNBB, depois da apresentação da análise, deu depoimento do significativo acompanhamento e da importante atuação da CNBB nesse processo.Prof. Pedro Gontijo concluiu a apresentação mostrando que “as lutas sociais devem crescer no ano de 2013. Os movimentos sociais estão percebendo, de maneira crescente, que é necessária maior articulação e unificação de suas pautas, para que estas possam adquirir mais visibilidade social e, portanto, maior incidência política”. E a tendência é de que os movimentos sociais, sabendo desta realidade, "irão buscar fortalecer e articular cada vez mais suas lutas, tanto para cobrar acordos feitos durante a primeira metade do atual mandato, como para exigir novos compromissos até o seu final. Neste sentido, o tema que vem crescendo cada vez mais na agenda dos diversos movimentos sociais no país é o do modelo de desenvolvimento que se deseja, ou seja, o tema ´O Brasil que queremos´, tão debatido ao longo de diversas edições da Semana Social Brasileira e pela Assembleia Popular”.

O coordenador da Pastoral da Criança Internacional, médico Nelson Arns Neumann, participa nesta semana, nos Estados Unidos, da Marquette Mission Week 2013, promovida pela Marquette University, na cidade de Milwaukee. O evento, que tem como tema “The World is our Home” (O mundo é nossa casa), homenageia os ganhadores do Prêmio Opus Prize que, unindo fé e empreendedorismo, desenvolvem ações sociais para reduzir problemas globais como a pobreza, fome, doenças e violações dos direitos humanos.
Neumann participa como representante da fundadora da Pastoral da Criança, a médica Zilda Arns Neumann, contemplada com o Opus Prize em 2006. Estarão reunidos em Milwaukee os dez ganhadores do prêmio criado em 2004 pela Opus Prize Foundation. Além do Brasil já foram destacados com o prêmio personalidades dos Estados Unidos, Equador, Jamaica, Índia, Congo, Malawi, Marrocos, Burundi e Tanzânia.
A agenda da Marquette Mission Week é extensa e prevê atividades com os estudantes e professores da universidade, debates e troca de experiências com líderes comunitários, empreendedores sociais e outros públicos. Os ganhadores do Opus Prize também se reunirão com Mark Dybul, diretor executivo do Global Fund to Figth, entidade que se dedica ao combate da tuberculose, malária e  AIDS.
Durante o evento a estratégia comunitária da Pastoral da Criança desenvolvida no Brasil e em mais 21 países da América Latina, África e Ásia será apresentada e debatida em várias oportunidades. Do total de mortes de crianças que ocorrem em todo o mundo, pelo menos 63% são causadas por doenças facilmente preveníveis como a diarreia, pneumonia, malária, HIV e infecções em geral. Neste contexto, que exige soluções imediatas e acessíveis às populações em risco, há grande interesse dos organizadores e público na experiência internacional da Pastoral da Criança, principalmente na transferência de sua metologia para os países mais pobres.
O prêmio de 1 milhão de dólares da Opus Prize recebido pela Pastoral da Criança vem sendo  investido desde 2007 em onze das 21 nações onde a entidade leva sua ação humanitária. Angola, Paraguai, Guatemala, Guiné Bissau, Timor Leste, Guiné-Conacri, Filipinas, Colômbia, Bolívia, Honduras e Moçambique contam com esses recursos para  implantar e ampliar as ações básicas de saúde, nutrição, educação e cidadania nas comunidades mais carentes.
No ano passado, a Pastoral da Criança contou com o apoio de mais oito fontes de financiamento para assegurar sua atuação internacional. “O dinheiro - observa Nelson Arns Neumann – é administrado na sede aberta no Uruguai, pois do contrário a entidade não poderia enviar dinheiro para o exterior”.  As dificuldades da legislação brasileira obrigou, em 2008, a médica Zilda Arns a criar a Pastoral da Criança Internacional para levar sua bem sucedida experiência para outros países pobres.

Na primeira reunião do ano de 2013, o Conselho Universitário (CONSUN) da Universidade Federal do Pará (UFPA) discutiu e aprovou por unanimidade a concessão do título de Doutor honoris causa ao bispo da Prelazia do Xingu, dom Erwin Krautler, em reconhecimento a sua trajetória de vida em favor dos direitos humanos e das causas indígenas na Amazônia. No artigo assinado pelos professores da UFPA Ivana de Oliveira Gomes e Paulo Lucas da Silva, é possível saber quais foram o critérios para a homenagem.
Eis o artigo:
A concessão de um título de Doutor honoris causa (Dr. h.c.) por uma Universidade a uma pessoa significa o reconhecimento da seriedade, empenho, qualidade e quantidade do trabalho, desta pessoa, em causas nobres, descobertas científicas inovadoras e de grande valor para a sociedade. A Universidade reconhece o valor desta pessoa e se manifesta como “porta-voz” da sociedade que, em geral, já tem o conhecimento do desempenho ilustre e repetido do contemplado.
Honoris causa significa “em (por) causa de honra”, o que, em sentido amplo, significa dizer “em honra da verdade”, que é o objeto maior e mais fundante da reta Academia. Basicamente o Dr. h.c. tem as mesmas regalias acadêmicas de um doutor acadêmico, não incidindo, aqui, responsabilidades salariais da Instituição que outorga o grau: é uma valiosa condecoração, real e honorífica.
Na primeira reunião do ano de 2013, do Conselho Universitário (CONSUN) da UFPA, realizada no dia 24 de janeiro, os Conselheiros discutiram e aprovaram, por unanimidade, foi a concessão do título de Doutor honoris causa ao bispo da Prelazia do Xingu, dom Erwin Krautler, em reconhecimento a sua trajetória de vida em favor dos direitos humanos e das causas indígenas na Amazônia. A previsão é de que o bispo receba o título em Belém, e em ato comemorativo, em Altamira.
Esta menção honrosa se soma a dezenas de outros títulos e premiações que dom Erwin já recebeu, no Brasil e no exterior, sempre se destacando pela defesa dos direitos humanos, dos povos indígenas e do meio ambiente.
Há que se ressaltar, aqui, que o bispo do Xingu não é um militante, como se costuma entender na esfera política. Dom Erwin é um homem de fé. Assim é que o reconhecem em meio ao seu povo católico que o admira e o parabeniza nestes rincões da Amazônia Brasileira.
Ao conferir o título do Doutor honoris causa a dom Erwin, a UFPA reconhece uma trajetória viva e densa de muita dedicação do homem que saiu como padre, da Áustria para o Brasil, em 1965, e que há 32 (25/01/1981) anos é bispo do Xingu, seja de pleno juri, seja como bispo prelado, efetivo, nomeado pelo saudoso Papa João Paulo II.
Dom Erwin escolheu como lema episcopal “Servus Christi Jesu” (Servo de Cristo Jesus), o qual vive com simplicidade, rigor, vigor. Certamente que suas alegrias são compatíveis com as causas que abraça na defesa do reconhecimento dos povos da Amazônia, seja pelos governos, seja por uma casta burguesa que espalha o medo, terror e pobreza sobre o povo de Deus. Sua luta e empenho pela causa indígena foram determinantes para que a Constituição Federal de 1988 garantisse direitos aos povos indígenas. Em 1980 foi preso e espancado pela Polícia Militar quando se associava na defesa de direitos trabalhistas e humanos, com os trabalhadores canavieiros de Medicilândia. Desde o início da década de 2000, dom Erwin, tem sido a voz mais ativa contra as barbáries previstas e hoje em curso com a construção da barragem Belo Monte. Quem o avistar, ainda hoje, verá que ele se desloca protegido por uma escolta da Polícia Civil, em virtude de sucessivas ameaças de morte. Não obstante, nunca pediu renúncia, ou transferência, porque a vida do cristão sempre foi e será uma vida que incomoda os poderes nefastos escamoteados em meio à sociedade. Em contraste com estas ameaças, o povo católico o recebe com festa e alegria sem igual em suas comunidades, manifestando seu apoio e deferência, esperando a Palavra, a orientação para a sua vida humana de fé.
Por causa de honra (honoris causa) Dom Erwin é uma pessoa merecedora da deferência, assim como a UFPA se faz honrada, dignando-se a concessão de tão elevada comenda a este incansável homem de Deus. Parabéns, dom Erwin!

O Cardeal dom Claudio Hummes, presidente da Comissão Especial para a Amazônia, apresentou uma série de informações sobre suas visitas a várias dioceses. Ele disse que um dos mais contundentes apelos é o da necessidade do envio de padres para ajudar na missão. “Precisamos de missionários e missionárias”, foi o que dom Claudio afirma ter ouvido dos bispos das dioceses onde esteve. Ainda assim, confirmou o cardeal, são igrejas corajosas e que realizam um grande trabalho. E fez a ressalva que a situação de alguns lugares onde o clero é autóctone e bem forte. Dom Leonardo Steiner, secretário geral da CNBB, lembrou que é parte da tarefa do Consep acompanhar a situação da Amazônia e que a presença do Cardeal tem sido de grande significado. Dom José Belisário, vice-presidente da CNBB, também realçou o impacto positivo que a ação da Comissão Especial para a Amazônia tem provocado em vários lugares.Dom Francisco Biasin, presidente da Comissão para o Ecumenismo e para o diálogo inter-religioso apresentou os próximos compromissos da Comissão e disse que espera oferecer, até o final do presente ano, um estudo sobre o convívio da Igreja Católica com as diferentes igrejas e religiões no Brasil, trazendo uma espécie de fotografia das igrejas cristãs e os diversos âmbitos do diálogo que podem ser animados nas dioceses. O estudo vai contar com a participação dos especialistas e vai trazer orientações práticas em relação à pluralidade religiosa bem presente em nosso país. Logo depois da palavra de dom Biasin, Pe. Elias Wolff, assessor da Comissão, também comunicou fatos relevantes do trabalho a ser realizado em 2013. Ele lembrou o convite que o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) fez para que o Conic prepare o subsídio da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos no ano de 2015; e falou da publicação da “Cartilha da Água na América Latina”, que será publicada ainda neste semestre pelo Conselho Latino Americano de Igrejas, o Conselho Episcopal Latino-Americano e a Comissão de Ecumenismo da CNBB. Essa publicação é uma iniciativa da Rede Ecumênica da Água, do CMI, da qual a CNBB participa.

Encontro, que foi concluído no último dia 27 de janeiro de 2013 em Crato (CE), faz parte dos preparativos para o 13º Intereclesial, marcado para janeiro de 2014 em Juazeiro do Norte. Os participantes publicaram uma carta, dirigida às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), que reproduzimos a seguir: CARTA DA 4º AMPLIADA NACIONAL DE CEBs Miriam, a profetisa tomou nas mãos um tamborime todas as mulheres a seguiram com tamborins, formando coros de danças. E Miriam lhe entoava: “Cantai a Javé, pois de gloria se vestiu!”(Ex 15,20-21) Romeiros e romeiras do Reino do campo e da cidade viemos aqui, de todos os recantos do Brasil, para IV Ampliada Nacional de Comunidades Eclesiais de Bases (CEBs), no Vale do Cariri coração do nordeste. Como o povo respondeu ao chamado de Miriam, que convidava a dançar ao Deus na vida, assim nós, respondemos ao chamado do Deus da esperança que anima o trem das CEBs rumo ao 13º Intereclesial. É com muita alegria que convidamos você a entrar neste cordão da dança, que se realizará de 07 a 11 de janeiro de 2014, em Juazeiro do Norte, Diocese de Crato, Ceará. Como o tamborim de Miriam convocou o povo, nos sentimos convocadas e convocados ao ritmo alegre da sanfona para dançar a justiça e profecia a serviço da vida, como resposta aos gritos de dor provocados pelos projetos que signifiquem sinais de morte para o nosso povo, que estão sendo implantados em todo Brasil. Nesta ultima ampliada num clima de profunda mística, olhamos a realidade que desafia a vida em plenitude do nosso povo. Alegramo-nos com a partilha do trem das CEBs, que passa em cada comunidade, diocese e regional. Lá, onde os vagões das CEBs passam, reacende a chama da esperança na realização da sociedade do bem viver e do bem conviver, em comunhão com todas as CEBs da grande Pátria, América Latina e Caribe. Como é próprio da nossa caminhada de igreja compartilhamos os novos trilhos que estão sendo postos, através do serviço das diversas equipes, para que o trem das CEBs chegue à estação do Ceará, debaixo do chapéu de padre Cicero, no calor do grande caldeirão, das lutas, culturas, sonhos e esperanças para vivenciarmos a grande proposta do Reino que já se faz presente. Já sentimos o gostinho desta festa no lançamento do Texto base e das Cartilhas na Casa da Mãe das Dores e das Alegrias, que no decorrer destes anos tem acolhido romeiros e romeiras que aqui vem; como também, saboreamos o prazer da preparação das diversas famílias, paroquias e comunidades que acolherão os delegados e delegadas. Herdeiras e herdeiros das grandes lutas populares pela libertação como o foram Palmares, Canudos e Caldeirão, somos hoje convocados e convocadas pela firmeza da fé dos beatos e beatas do povo de Deus, Antônio Conselheiro, Maria de Araújo e José Lourenço, pelo amor à justiça e vida do padre Ibiapina e padre Cicero. Não perca o trem se prepare e vem também! O trem tem datas e horários marcados: até 31 de maio 2013 confirme o seu “bilhete” - ficha de inscrição. Sob o olhar maternal e solidário da Mãe das Dores e das Alegrias acolhemos sua benção para que nossos passos sejam firmes como foram os dela.Um abraço amoroso de toda Equipe da Ampliada Nacional das CEBsAmén, Axé, Auere, Oxente, Aleluia! Crato, 27 de janeiro de 2013

No último sábado, 2 de fevereiro, dia em que a Igreja celebrou a Apresentação do Senhor e o Dia de Nossa Senhora das Candeias, a arquidiocese do Rio de Janeiro juntamente com o Comitê Organizador Local da (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio2013) reuniu milhares de fiéis, na Concha Acústica do Santuário de Nossa Senhora da Penha, para o “Caminho de Luz”.

O evento, que teve como objetivo fazer com que os fiéis vivenciem cada vez mais o Ano da Fé rumo à JMJ Rio2013, contou com a presença do arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta, de bispos auxiliares da arquidiocese, vigários episcopais, padres e do bispo de Noto, na Itália, dom Antonio Staglianò – que está no Rio para participar da 22ª edição do Curso dos Bispos, no Sumaré.
Dom Orani presidiu a Celebração Eucarística e falou sobre a motivação do evento que teve um caráter oracional. O Arcebispo ressaltou a importância de todos seguirem a luz de Cristo tendo sempre a certeza de que Ele é a luz do mundo – “Eu sou a luz do mundo” (João 8,12).
"Com muita alegria nós viemos até o Santuário da Penha para viver esse dia 2 de fevereiro, dia da Apresentação do Senhor e de Nossa Senhora da Luz. Queremos viver neste Ano da Fé, Ano da Juventude, o “Caminho de Luz”. Sabemos que a nossa fé está em viver a luz de Cristo e consequentemente sermos luz para os irmãos. Aqui neste Santuário de nossa Arquidiocese junto com Maria, aquela que disse sim ao projeto de Deus, viemos pedir que Jesus nos ilumine e que também nós, enquanto igreja, sejamos luz no mundo", afirmou dom Orani.
Antes da Missa, testemunhos sobre a Jornada Mundial da Juventude foram realizados e representantes do Setor Juventude da arquidiocese rezaram o terço. A animação ficou por conta do cantor, ator e apresentador, Enes Gomes, e do reitor do Santuário arquidiocesano do Cristo Redentor e diretor de Logística da JMJ Rio2013, padre Omar Raposo, que foi acompanhado pela banda Cristo Redentor. Um dos momentos mais esperados da noite por todos os presentes foi o Lucernário – rito que era praticado ao anoitecer no templo, nas sinagogas e nas casas, e que os primeiros cristãos celebravam como símbolo de Cristo –, que ressaltou a importância de se valorizar a bela tradição da Igreja.
"É emocionante ver a unidade da nossa Igreja e mais ainda ver essas pessoas de todos os vicariatos com suas velas acessas iluminando as escadarias do Santuário num mesmo propósito: testemunhar que Jesus é a luz do mundo e transmitir, através da vivência do Evangelho, essa luz que vem de Deus a todos os irmãos. Não haveria momento melhor para vivenciarmos o Ano da Fé e a Jornada Mundial da Juventude que se aproxima, destacou o jovem Winícius Mendes, da Paróquia Nossa Senhora do Bonsucesso de Inhaúma, em Bonsucesso.
Membro do COL e um dos produtores do evento, Michel Sousa, falou sobre a experiência de produzir o “Caminho de Luz”.
"Missão cumprida e o momento é de grande alegria. Esse trabalho foi muito especial pra mim e mais do que um trabalho, na verdade foi um momento de agradecer a Deus por tudo aquilo que ele já me deu, está me dando e vai me dar. Trabalhei por completo nesse projeto com muito carinho, amor e atenção porque foi para o Senhor... Nenhum mérito para mim, tudo para a honra e glória do Senhor Jesus", ressaltou Michel.

A diocese de Guaxupé (MG) vivenciou no último domingo, 3 de fevereiro, a abertura das comemorações de seu centenário, que ocorrerá em 2016. Logo pela manhã, cerca de 500 pessoas participaram de uma procissão conduzida pela imagem da padroeira da diocese, Nossa Senhora das Dores, que seguiu em direção à Catedral.
Com missa presidida pelo bispo da diocese de Guaxupé, dom José Lanza Neto, muitos jovens, padres, religiosos, seminaristas e leigos representantes das 84 paróquias que compõem a diocese acompanharam a celebração em ação de graças pela ocasião celebrada.
Durante a homilia, o bispo destacou a caminhada histórica e a necessidade atual de uma diocese profética em sua missão evangelizadora. Aos padres que compareceram à solenidade, agradeceu-lhes a sensibilidade à unidade e também destacou a presença dos representantes dos Conselhos de Pastoral Paroquial (CPP). Disse ainda, referindo-se aos jovens que participavam da celebração, que a juventude, na Igreja, é viva quando atendida nos aspectos “acolhida, espaço e identificação.”
No final da celebração, por convocação de dom Lanza, jovens que representavam suas paróquias, deixaram a assembleia e dirigiram-se até ao presbitério para acompanhar a bênção e imposição das cruzes da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).
No próximo dia 3 de março de 2013, haverá uma grande concentração da juventude, na Catedral diocesana para a acolhida aos ícones da JMJ. Durante os meses seguintes, setores pastorais farão estudos e plenárias de temas do Concílio Vaticano II. 2014 e 2015 serão preparadores e realizadores das Santas Missões Populares.

Todo ano, centenas de rádios comunitárias são fechadas no Brasil. Para os movimentos e organizações pela democratização da comunicação, a Lei 9612, de 1998, que regula o setor, funciona como entrave para a existência das emissoras. Nesse contexto, a Associação Mundial de Rádios Comunitárias (Amarc Brasil) lança uma série de spots radiofônicos sobre o tema.
Em algumas situações, essas emissoras fecham as portas por conta própria, pois já não têm condições de se sustentarem financeiramente. Em outras, são forçadas a interromper as transmissões por terem os equipamentos apreendidos em intervenções da Polícia Federal e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
No ano passado, o Ministério das Comunicações (MinCom) divulgou o balanço das penalidades aplicadas a emissoras de rádio e TV de janeiro a agosto. No total, foram 250 sanções, sendo a maior parte para rádios comunitárias, que receberam 87 delas.
Diante dessa realidade, a Amarc Brasil, entre outras entidades, luta pela criação de um novo conjunto de leis que regule todos os setores das comunicações, ou seja, um marco regulatório que respeite o direito humano de comunicar. Ouça os spots da campanha “Ondas comunitárias: em sintonia pelo Direito à Comunicação”.





RSF mostra satisfação pelo avanço nas investigações de morte de jornalista em GO

Na última segunda-feira (4/2), a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) mostrou satisfação pelos avanços na investigação sobre o assassinato do jornalista da Rádio Jornal 820 AM, Valério Luiz de Oliveira, que acabou com a prisão do ex-vice-presidente do Atlético-GO, Mauricio Sampaio, informou a Efe.
Em comunicado, a RSF afirmou que respeitando a presunção de inocência de Sampaio, sua detenção tende a "confirmar as ameaças" feitas pelos dirigentes do clube.

O cronista esportivo foi assassinado a tiros no dia 5 de julho de 2012, por volta das 14 horas, em frente à rádio onde trabalhava, no Setor Serrinha, em Goiânia. Logo depois de ter entrado no carro, um motociclista que efetuou os disparos. Ele chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local. 

"Valério Luiz de Oliveira está entre os cinco jornalistas assassinados em 2012 no Brasil por conta de sua atividade profissional", lembrou a RSF. Com sede em Paris, a organização defensora da liberdade de imprensa elogiou as autoridades brasileiras "na luta contra a impunidade"



0 comentários:

Obrigado pelo seu Comentario, seja bem vindo !

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga