“Alguns políticos e seus nobres ideais MONETÁRIOS”

09:26 Radio Ideal FM 0 Comentarios



(Hoje começo a entender melhor essa engeriza do povo cristão, que ás vezes diz que política é coisa do diabo, referindo-se não á política em si, mas a estrutura partidária, que de fato a cada dia que passa, se torna um verdadeiro covil...)
Houve um tempo em que o discurso do candidato, sua postura diante de certas situações o o identificava como de direita ou de esquerda. Havia comícios para todos os gostos, quem era da esquerda ia aos comícios da esquerda e vibrava com o discurso dos candidatos, quem era da direita ia assistir os da direita falarem. Os partidos se organizavam em torno de ideias que eram ideais, e que formavam sim uma ideologia, um modo de pensar e de agir, uma linha de conduta, era “Aquilo”, nem mais e nem menos, nenhuma oscilação para qualquer lado.
As ideias eram trabalhadas, fomentadas, debatidas pelos políticos e discutidas por quem gostava de política, não que as pessoas não fossem importantes, eram sim, mas o ideal partidária estava acima de qualquer coisa, era sagrado, mudavam-se as pessoas mas não se mexia em uma virgula do ideal partidário. O voto era sagrado e qualquer eleitor metia medo em um candidato que fosse íntegro.
Não havia maquiagens e nem maquinações, o sujeito era o que era, a agremiação partidária procurava sempre sondar o coração do povo para estar com ele em sintonia. O candidato não precisava ter ao seu lado o poder econômico, as campanhas valiam pelo SER do candidato, seu caráter, sua integridade, sua honestidade e decência, seu compromisso com as pessoas, eram essas coisas que contavam, e não o valor monetário.
Mas veio a pós-modernidade e o pluripartidarismo. Novos tempos e novos modos de se fazer política, nivelou-se por baixo... e infelizmente a política tornou-se um jeito fácil de se enriquecer, o sujeito pode ser o maior pilantra, corrupto, Ficha Suja, desonesto, trapaceiro, mas se ele tiver a seu dispor uma estrutura financeira, alguém que lhe banque a campanha, a eleição está garantida, e o discurso de que o voto é importante é só para inglês ver. Os partidos não correm mais atrás de ideais, mas sim de quem os banque.
Os partidos se organizam em torno de pessoas poderosas economicamente, que são os coronéis da pós-modernidade, seus nomes nem aparecem, mas eles estão por trás de tudo. Uma vez eleito, seja qual for o cargo eletivo, o candidato terá que submeter-se ao partido, que decide que toma atitudes, o sujeito torna-se um fantoche da agremiação partidária, e o povo que o elegeu, não têm nenhuma importância.
Hopje eu entendo melhor essa "engeriza" presente no Povo Cristão que ás vêzes diz que a política é coisa do Diabo, não se referindo á política em si, mas as nossas agremiações partidarias que infelizmente a cada dia que passa vai se tornando um verdadeiro covil....
Esse discurso e “choramingos” a gente está cansado de ouvir dos que a gente apoia e coloca no poder, pois quando cobrados eles saem pela tangente “Ah...eu sou a favor, mas o partido é contra...” É o que mais se houve quando o sujeito não honra os votos recebidos da comunidade.
Por tudo isso aqui exposto, pessoalmente sempre olho com desconfiança para os partidos, sejam eles de que siglas forem, tenho verdadeira aversão por alianças, sejam elas de que siglas forem, porque toda aliança partidária, no fundo depõe contra o processo Democrático, já que absolutiza o poder em uma só mão, além é claro, das “negociações” de cargos, onde nossos homens mais parecem um bando de Abutres disputando sua “caça”. Alianças e coligações sufocam o ideal e idolatra as pessoas. Hoje os partidos se organizam em torno de pessoas, que tenham o poder de arrastar consigo para o poder instituído, um monte de gente que vai sempre de carona, e que uma vez iniciados na vida pública, vão se enveredar por estes mesmos torpes caminhos. Os poderosos da nossa economia fazem sempre gordos investimentos nas agremiações partidárias, com grandes e generosos retornos, naturalmente.
Por isso eu acredito nas pessoas, que independentes de siglas partidárias, são boas ou ruins, honestas ou desonestas, sinceras ou mentirosas, inteligentes ou burras. A sigla partidária na hora da votação é um mal necessário.
Hoje uma agremiação partidária tornou-se a grande vilã no processo democrático, pois matou- os ideais, a lisura, o respeito, a conduta exemplar de um homem público. Não há mais direita ou esquerda ou centro, e para ser político não precisa mais ser um idealista, qualquer “Zé Mané” poderá sê-lo e até fazer carreira, seja na política local ou em nível de federação.
Querem acabar com o número excessivo de candidatos que ambicionam a carreira política? Querem requalificar os homens públicos e peneirá-los para ver o que sobra deles? Primeiramente extinga-se todo e qualquer salário de legislador e governante e em segundo determine-se oito horas ou mais por dia, de atendimento ao povo e busca de solução de problemas que afetam a coletividade. Daí iremos ver quem são os verdadeiros idealistas da nossa triste e avacalhada política nacional.

                                                                                   Diácono José da Cruz 

0 comentários:

Obrigado pelo seu Comentario, seja bem vindo !

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga